Translator

domingo, 27 de março de 2011

TAILÂNDIA: ABRE UMA CASA DE PASTEIS DE BELÉM

Mentira de 1 de Abril de 2011 - Para o ano há mais!


Famoso pastel de Belém

O estabelecimento que faltava em Banguecoque com produtos, genuinos, portugueses.

António Cambeta um português amigo e ligado à Tailândia, por afetos, inaugura dentro de dias, na Avenida Lard Prao (Grande Banguecoque), uma casa de produtos, genuinamente portugueses, onde o principal, entre outras especialidades, o famoso Pastel de Belém.

O evento, agendado para o dia 5 do corrente mês pelas 6 horas da tarde, com a presença de Sua Excelência o Embaixador de Portugal; o Dr. Nuno Caldeira da Silva, Conselheiro Político, em representação da Delegação da Comissão da União Europeia em Banguecoque; o treinador de futebol português, Henrique Calisto, recentemente contratado pelo clube de Banguecoque Muang Thong United e toda a comunidade portuguesa residente na capital tailandesa.

O discurso de abertura será proferido pelo Dr. Jorge Morbey (vindo propositadamente de Macau) um especialista das coisas portuguesas na Ásia e Oriente subordinado ao tema: "A importância do Pastel de Belém na Divulgação da Portugalidade na Ásia e Oriente".

João Guedes, velho jornalista da TDM (Televisão de Macau) e historiador, de voz maviosa e impar ao microfone, fará a apresentação da sua nova obra: "Os Ex- Piratas do Palácio de Santa Sancha e Ligações Estreitas aos Pasteis de Belém"

António Cambeta, adquiriu, em “franchise”. o segredo da receita da famosa confeitaria portuguesa, de Belém, fundada em 1833, para que o pastel tenha, precisamente, a mesma qualidade do fabrico de orígem.

Em Belém permaneceu durante um mês. a receber treino, Manuel Campos, um especialista na arte de confeccionar boa comida, para o grupo gastronómico, português,residente em Banguecoque, que ficará a chefiar o fabrico dos pasteis, queques, pão de ló, bolo rei, doce da Teixeira, bola de carne, cujo ingrediente, principal, é proveniente do "porco pata negra" do Alentejo.

Em parte-time (dado que é funcionário da Embaixada Portuguesa em Banguecoque) tomou a seu cargo Marco do Vale (sobejamente conhecido nos meios femininos, artísticos e televisivos da capital) de selecçionar, através de "casting", o pessoal composto de 12 "belas" jovens tailandesas que vendem, aos clientes no balção, a doçaria e servem, nas 12 mesas, do salão, o pastel de Belém e saborear uma chávena de café expresso "Delta" do qual António Cambeta é o agente para o Reino da Tailândia e no futuro expandi-lo do sul ao norte do país.

O estabelecimento, esmeradamente, decorado, pela “Art Living”, propriedade do empresário e velho residente na Tailândia, o açoriano, Eng. Rui Belo. Os "rabiscos" das paredes são obra do famoso arquitecto, macaense, Carlos Marreiro.

De Macau, onde António Cambeta tem vivido ao longo de cerca de meio século e reformado, presentemente, de oficial da Marinha do território, chegaram os jornalistas, para reportar o evento, Hélder Fernandes da Rádio Macau, para inserir a inauguração, como reportagem, no seu programa, popular, “Rua das Mariazinha”; Gilberto Lopes, director, apoiado por Miguel Brandão cuja reportagem de imagem está a seus cargo com dois operadores de câmara, para o passar no programa da TDM, (Televisão de Macau): “Os Grandes, Ignorados, Portugueses, na Ásia”.
Da Agência Lusa o jornalista José Costa Santos; Tribuna de Macau, o director, Dr. Rocha Dinis; Macau Hub (pela impossibilidade da presença de Gonçalo César de Sá) o jornalista Fernando Correia.
Para representar o turismo do Governo de Macau, junta-se, a agradável presença, o director Eng. João Manuel Antunes.

Anima, a inauguração do evento, a Tuna Macaense, interpretando poemas do Adé escritos no dialeto macaense o "Patuá"

Daqui os desejos de bom sucesso na venda do Pastel de Belém e outras especialidades portuguesas, ao meu amigo do “peito” António Cambeta.

José Martins

Trecho executado pela Tuna Macaense que se recomenda ouvir