Translator

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

PORTUGAL: QUE PAÍS É O MEU?

Por várias vezes me interrogo-me: "Portugal que país é o meu?"
Salto da cama bem longe da pátria onde nasci e as novas tecnologias (a Internet) dão-me a vantagem de dar uma vista de olhos pelos jornais portugueses e os estrangeiros.
Meia noite em Portugal, parte da população já dorme. A vantagem de seis horas que levo à frente no tempo. Os jornais da minha pátria todos os dias me trazem ruins notícias que me deixa pensativo que a terra onde nasci houveram muitas degenerações e mudanças de hábitos.
Verifico que pela a aragem os portugueses estão a viajar em ruim carruagem. O que se passa em Portugal, é demasiado sério e prevejo maus tempos estão à cabeça. Leio as notícias, nos jornais, daquilo que se haja passado ontem, dia 20 de Agosto de 2008:
Em Setúbal morreu ourives assaltado e baleado com dois tiros na cabeça; casal de Gaia escapa a "carjacking", disparados tiros e escaparam; uma camioneta que transportava, valores foi assaltado à bomba e os larápios fugiram, livremente, sem ninguém lhes travar a corrida.
Ora acontece que em Portugal no dia-a-dia, ocorrem assaltos, crimes e parece-me que já ninguém tem mão nos criminosos e nos ladrões. Os portugueses, por natureza, são pessoas de brandos costumes, hospitaleiros e de fácil assimilação a outras raças. Já lá vão os tempos em que se caminhava, pela noite a dentro, nas grandes cidades na paz plena.
Assaltos eram raríssimos!
Os estabelecimentos, comerciais, eram guardados durante a noite pelo guarda nocturno que, pachorrentemente, caminhava pelo passeio, sem pistola e apenas com o cassequete pendurado à cintura. Uma das várias funções do guarda nocturno era o de acender ou apagar as luzes dos estabelecimentos, cujos proprietários lhe pagavam uma avença, mensalmente, de uns 10 ou 20 escudos, conforme a generosidade e a simpatia do já (muitos quais ) idoso guardador da noite.
O tempo é de mudanças, mas os portugueses não mudaram as orígens de suas raízes, mudaram foram as gentes que, livremente, atravessam as fronteiras de portas escancaradas.
Portugal bem se pode considerar o "penico" da Europa onde de todos os países do continente e de outros, desembarca toda a qualidade de gente e nascidos de muito boas e más mães.
É certo que no correr dos séculos várias etnias se fixaram na Lusa Pátria:
Fenícios, Tartessos, Célticos,Iberos, Cartagineses,Romanos, Bárbaros, Vândalos,Suevos, Visigodos e os Mouros.
Dom Afonso Henriques fundou a nação portuguesa em Guimarães há 888 anos e no correr de mais de oito séculos, Portugal foi crescendo a poder de muitos sacrificios e lá foi vivendo entre os poucos vales e as montanhas onde abundam mais o granito que a terra de lavradio.
Enfrentou guerras, perdeu umas, ganhou outras e a soberania, foi oferecida a Castela, depois de beijado o anel cardinalício de Dom Henrique.
O povo português é emigrante desde o século XV até à época que corre, fixaram-se, por todos os continentes do Globo, desenvolveram países; de gente ordeira, humilde e trabalhadora.
Eu que corri "Seca e Meca" por vários países durante 46 anos que levo emigrante, estou à altura de o poder afirmar.
Porém os delírios, dos políticos portugueses, contaminaram, o Portugal no seu todo!
Liberdade, elogíos à democracia, por cantores e trovadores da ocasião. Aparecerem os políticos (de escadote e os coladores de "posters" nas paredes) que depois, "melros de bico amarelo", chegaram a ministros de qualquer pasta. Mais tarde veio a exuberância de Portugal, da "changada de pedras" estar inserido no grupo dos ricos da Europa.
Há delírios, há os "barrigas inchadas" que não param e querem ir mais longe...
Mandaram as notas de 100,500 e 5000 escudos para o forno, para as fazer em cinzas e as moedas para a fundição.
Estamos na moeda única o Euro e uma "chatice" para o povo entender aquela moeda e não só, os arredondamentos, para facilitar os trocos.
Deixaram de haver os tostões e os escudos. A tragédia está implementada e trava o desenvolvimento económico de Portugal.
É que se a moeda de Portugal, continuasse a ser o velho escudo, Portugal teria mais competitividade nos mercados estrangeiros. Depois de inserido Portugal na Europa, a chegada da moeda única o Euro, vieram outras caras de diferentes orígens e com elas a roubalheira, os assaltos, o "carjacking", os crimes violentos, a corrupção rampante a todos níveis e a falta de moral, cuja esta se alastra como uma doença, endémica, que já não tem cura.
Portugal começa a ser um "Texas" americano, onde a Lei começa a ser a da "bala"
E para terminar: "Minha Saudosa Casinha, Meu Lar, Minha Pucarinha de Mijar...".
José Martins

LISBOA SOS - AS MISÉRIAS DA EX-CAPITAL DO IMPÉRO

Devo ser um dos primeiros que linquei o blogue http://lisboasos.blogspot.com/ nos dois meus. Uma pessoa contactou-me, por e-mail, desde que colocou o blogue a circular na Internet. O blogue principiou por publicar umas poucas fotografias e quando as vi fiquei completamente "abismado" pelo estado degradante em que se encontrava, Lisboa de edifícios, jardins, estátuas, azulejos e paredes, monumentos completamente "borrados" de tinta. Conheço mal Lisboa e durante a minha vida, já longa, passei por lá por curtos espaços de tempo. A última vez há dois anos não saí da residêncial onde me hospedei na Defensores de Chaves. O blogue LISBOASOS, sabemos que não vai resolver os problemas que abundam por toda a Lisboa, porque são demasiados e como as feridas "grangrenosas", só com a amputação se curam. Hoje surpreende-me que o jornal "Público" publicou uma peça a quatro colunas que faz eco ao estado calamitoso em que Lisboa se encontra. Ora eu sempre pensei que Lisboa com tão boa gente a dirigir a Câmara Municipal, os que conheci: Eng. Nuno Krus Abecasi, Dr. Jorge Sampaio, Dr. João Soares, Dr. Santana Lopes, Eng. Carmona (não sei se mais algum) e de momento o Dr. António Costa, seria uma cidade bem cuidada. Lisboa no estado em que se encontra e depois de tantas pelejas políticas (um mergulho, há anos, nas águas do Rio Tejo pelo Prof. Marcelo Rebelo de Sousa), não sei a quém se deva dar algum mérito por obra que haja feito. Porém quando começaram a ser publicadas fotografias referentes à "Tapada das Necessidades" e legendadas em forma "achalaçada", não fazia (por falta de conhecimento) a ideia se era ou tinha sido a quintinha de recreio agregada ao "Palácio das Necessidades" onde se instala a diplomacia portuguesa. Tudo nessa tapada está, uma desgraça diplomática, pelo estado observado no espaço, ao ar livre, onde houveram piqueniques da realeza portuguesa e europeia. Estou a imaginar aquele espaços com criadas de tocas e aventais de renda de cor branca a tomar conta das criancinhas que nasceram num berço dourado. Por lá às escondidas, entre os arbusto, um nobre, igual ao Conde de Abranhos (o romance do malicioso Eça de Queirós) num aliciamento, amoroso, a uma "sopeira" do palácio. Hoje, no estado em que se encontra o pulmão verde do Palácio das Necessidade não passa de um "mostrengo" onde crescem os arbusto aos sabor da natureza. E mais ainda espaços de portas escancaradas onde no chão há papeis desarquivados. Pensei que a "Tapa das Necessidades" seria um jardim agradável (bonito lá devia ser!), onde depois de uma reunião do chefe da diplomacia portuguesa, com um seu homólogo estrangeiro, saissem do gabinete onde o "meeting" teve lugar e os dois, para um passeio higiénico, pela Tapada, trocarem dois dedos de conversa. Assim não há passeio para ministros ou diplomatas! Sabemos que os autores do blogue se mantêm no anonimato ( o que compreendemos) de que o fazem com o receio de "represálias" do lado dos "poderosos" que ainda usam como arma de arremesso a dos "medos".
Jose Martins

terça-feira, 19 de agosto de 2008

OI PORTUGUESES ESTÂO AÍ OS "CENTROS PALRATÓRIOS"!

Os 150 mil empregos para os portugueses estão no caminho certo! A crise não tarda a ser vencida e: "oi portugueses vai haver trabalho para todos!" Últimamente temos ouvido os continuados ´"delírios" do PM José Sócrates na questão de empregos para os portugueses. Nos parece que a crise está fora de questão com os apregoados computadores que vão ser oferecidos e os vendidos ao preço da "uva mijona" e agora o "centro palratório", anunciado ontem para Santo Tirso. Os computadores (brinquedos) que José Sócrates anunciou que seriam totalmente produzidos em Portugal, quando de facto o não são, mas montados. Os componentes, de montagem, vão chegar da China, Vietname, Índia ou de outro país onde a mão de obra é barata e ponto final. Depois, aqueles computadores, suceptíveis a avarias constantes; isso não se repara e será para aumentar o "lixeira" electrónica portuguesa. Não nos vamos alongar nos "bons ofícios" que esses computadores poderão produzir para o desenvolvimento económico de Portugal, porque os "miúdos" que os vão utilizar (com a tão apregoada "banda larga") desviam-se para outros caminhos e não para os utilizarem como instrumentos que os possa cultivar. Os outros caminhos e invenções americanas são: " o Hi5, o Zorpia, o MSN e sabemos lá que mais e de que muitos "palratórios", via internet, onde os jovens se viciam, nessa droga e mandam as suas instruções colher "malvas". Agora com o "centro palratório" em Santo Tirso e outros que se seguem vão ser a luz ao fundo túnel para que Portugal saia da crise de desemprego e tudo, no futuro, vai correr sobre rodas excelentemente, bem untadas. Seria tempo que o PM José Sócratres se deixasse de "babelar" aos cidadãos deste país, porque desde que assumiu o cargo nunca parou de ser um mau vendedor de feira de "banha de cobra" que remedeia mas não satizfaz. Ontem tivemos os aeroportos, depois os negócios da China, da Venezuela, os computadores etc.etc, e agora os "centros palratórios". Nos parece que José Sócrates não larga o "palratório" como as mulheres do soalheiro gostam do abrigo ao sol onde a má língua pouco afecta ou faz mossa,,, Mas o "palratório" do PM José Sócrates prejudica 10 milhões de portugueses e não pára de "babelar" como julgando que os portugeses são de "lá de xima", da "santa terrinha" ou noutros termos, pejorativos, a "terra da coina".
José Martins

OS GENERAIS PERDERAM A GUERRA QUE SE MATEM OS SOLDADOS...

Comandandante Vicente Moura e o ministro Pedro Silva Perereira que tutela o desporto
Não nos surpreende a demissão do comandante Vicente Moura, Presidente do Comité Olímpico de Portugal devido aos maus resultados dos atletas portugueses nos Jogos Olímpicos, em Pequim 2008. A decisão de Vicente Moura foi hoje (19.08.08) passada aos jornalistas, depois destes insistirem para que lhes comentasse o desaire dos atletas portugueses. Um presidente desiludido e até não imaginamos qual será o seu rosto, no regresso de Pequim e de quando sair da porta de um aeroporto em Portugal. Bem, o comandante Vicente Moura deveria ter um conhecimento global de quais as condições dos atletas, quando foram seleccionados e antes de partirem para Pequim. Foi uma total desgraça aquilo que aconteceu! E depois dos atletas falharem nas provas, estes, inocentemente e como desculpas declararam aos meios de comunicação que não sabem como tudo isto lhes teria acontecido. Ainda bem que o Presidente da República Cavaco Silva e o Primeiro-Ministro lavaram as mãos dos jogos Olímpicos e não estiverem presente à abertura oficial. Parece que já advinhavam o fracasso. Quanto à demissão do Comandante Vicente Moura assim tão apressada dá uma nota de falta de coragem e que não tenha aguardado a decisão para quando chegasse a Portugal e apresentá-la a quem o elegeu que certamente teria sido o Governo de Portugal. Quando os generais perdem a guerra matam-se os soldados, como se estes tivesse sido os comandantes da guerra.
José Martins
P.S. Já a circular esta peça, acabamos de ouvir as declarações do comandante Vicente Moura, em Pequim, que afinal não se vai demitir e que vai manter o cargos até ao final do ano de 2008, mas que depois não se irá recandidatar a novo termo. Ainda bem que o sr. comandante remendou a "coisa" a tempo.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

MEMÓRIAS DOS TEMPOS IDOS - MEDALHA DE OURO PARA JESSICA AUGUSTO NA TAILÂNDIA

A bandeira das quinas subiu ao topo do pau de bandeira, no Estádio da Universidade de Rangsit, em honra da Jessica Augusta e de Portugal

A doce "mordidela" da Jessica na medalha de ouro. Um português entregou-lhe uma bandeira e com ela deu volta à pista.
Poucos portugueses tiveram conhecimento que no dia 12 de Agosto de 2007 , na Tailândia, uma estudante, universitária, portuguesa, ganhou uma medalha de ouro, nos "Jogos Universitários 2007" que tiveram lugar na cidade de Banguecoque. Jessica Augusto venceu a prova de atletismo de 5000 metros. Bem se pode comparar a vitória da atleta, portuguesa, Jessica Augusto à da Vanessa Fernandes em Beijing, hoje, dia 18 de Agosto de 2008. Depois dos jogos olimpícos, os jogos universitários, seguem-se-lhe como o evento, desportivo, de maior relevo, no mundo. Lamentamos que nenhum canal de televisão ou jornal português tenha estado presente, em Banguecoque, para relatar o evento. Nós fizemos a cobertura completa que poderá ser
vista, neste blogue, em vários artigos, inseridos, no mês de agosto de 2007
Subiu ao pódio, mostrou orgulhosa a medalha e recebeu, também as flores da vitória.
José Martins

VANESSA FERNANDES SALVOU A HONRA!

Parabéns Vanessa!
Salvaste a honra, no Trialto, mesmo com a medalha de prata, em Beijing2008.
De facto, dentro das espectativas dos portuguesas, pensava-se que viriam para Portugal mais uma "medalhitas" mesmo que fossem de bronze.
Maquievalices felicitam-te e até às próximas olimpíadas.

domingo, 17 de agosto de 2008

SER UM VERDADEIRO PORTUGUÊS

SER PORTUGUÊS É:
- Levar arroz de frango para a praia.

- Guardar as cuecas velhas para polir o carro.

- Lavar o carro na rua ao domingo.

- Ter pelo menos duas camisas traficadas da Lacosta e uma da Tommy (de cor amarelo-canário e azul cueca)

- Passar o domingo de tarde no shopping center.

- Tirar a cera dos ouvidos com a chave do carro ou com a tampa da esferográfica.

- Ter bigode.

- Viajar ao cu do Judas e encontrar outro Tuga no restaurante.

- Receber visitas e ir logo mostrar a casa toda.

- Enfeitar as estantes da sala com as prendas do casamento.

- Exigir que lhe chamem doutor

- Axaxinar o Portuguez ao escrever.

- Gastar 50 mil euros no Mercedes C220 cdi, mas não comprara o kit mãos-livres, porque é ´caro´.

- Já ter ido à bruxa.

- Filhos baptizados e de catecismo na mão, mas nunca pôr os pés nas igreja.

- Não ser racista, mas abrir uma excepção com os ciganos.

- Ir de carro para todo o lado, aconteça o que acontecer, e pelo menos a quinhentos metros de casa.

- Conduzir sempre pela faixa da esquerda da auto-estrada (a da direita é para os camiões).

- Cometer 3 infracções ao código da estrada, por quilómetro percorrido!!!
- Ter três telemóveis.

- Gastar uma fortuna no telemóvel mas pensar duas vezes antes de ir ao dentista.

- Ir à bola, comprara ´prá geral` e saltar ´prá frente´.

- Viver em casa dos pais até aos 30 anos ou mais.

- Ser mal atendido num serviço, ficar lixado da vida, mas não reclamar por escrito ´porque não se quer aborrecer´.

- Falar mal do Governo eleito e esqueceu-se que votou nele.

Não há nada a fazer! Antigos hábitos são difícil de os cambiar como o são as manhas de burros.

"Enviado por H.Ferreira/Maquiavelices"